Dante Filho***** Vereadores de Campo Grande se comportam como analfabetos em contas públicas. Na semana passada, em reportagens publicadas...

Câmara é despreparada para avaliar contas de Campo Grande

/
0 Comentários

 



Dante Filho*****

Vereadores de Campo Grande se comportam como analfabetos em contas públicas. Na semana passada, em reportagens publicadas pelo jornal O Estado de MS, produzidas pelas  repórteres Andrea Cruz, Beatriz Feldens e Rafaela Alves, ficamos sabendo que os senhores responsáveis pela fiscalização da administração municipal ou estão se fazendo de bobos ou foram $eduzidos  pela medu$a que manipula números financeiros da prefeitura.

Eles se concentraram no boato de que as contas estavam “maquiadas”. O Vereador Tabosa insiste no assunto. Na verdade, se analisassem os números oficiais veriam que “maquiagem” não é o termo adequado. Poderia ter usado “fraudados”. O que o ex-prefeito Marquinhos Trad deixou para dona Adriane Lopes foi simplesmente o caos, a incúria, a irresponsabilidade, tratando o dinheiro do contribuinte com uma negligência jamais vista. 

Posso dizer, por experiência própria, que a culpa não foi do ex-secretário Pedro Pedrossian Neto, pois ele é competente e estudioso o suficiente para ter clareza que as decisões de Marquinhos contrariavam o manual da boa governança, mas ele estava sozinho para segurar a tigrada. 

Quantas vezes o vi pelos corredores contrariado, revoltado, sentindo-se ameaçado, murmurando contra o modelo de gestão, tentando minimizar danos – pois era a única coisa que lhe restava fazer. 

O último relatório quadrimestral das contas municipais levado à Comissão de Finanças da Câmara em audiência pública, realizada em 21 de fevereiro deste ano, comandada pelo Vereador Betinho, mostra o tamanho da bagunça, mas tudo foi tratado com descaso e, lá na frente, o campo-grandense terá que reclamar com o bispo quando sentir que, mais uma vez, foi enganado pelos patetas que comandam a Casa de Leis. 

O correto seria exigir do Tribunal de Contas um parecer técnico, acompanhado por auditorias independentes, para compreender o quão profundo e largo é a cratera, e quanto ele representará, com o tempo, de atraso sistêmico no processo de desenvolvimento social da cidade. Mas quem tá ligando...

Os números estão lá, basta saber fazer operações básicas de matemática para ver o tamanho do buraco. Não é preciso ser técnico, especialista, auditor ou consultor para ver que Marquinhos não é gestor, apenas um populista que, no quesito administração pública, é apenas um amador abilolado.

 A prefeitura arrecadou R$ 4,6 bilhões no ano passado, uma diferença de 8,1% em relação ao ano anterior, ou seja, não houve reposição inflacionária do período que foi de 10,6%. Perdemos dinheiro. A despesa foi de R$ 4,4 bilhões, um crescimento de 14%. Hipoteticamente, sobrariam R$ 200 milhões, certo? 

Mas o que foi feito com essa dinheirama? O relatório não demonstra, não explica. Não há investimento que o justifique (que registra apenas R$ 56 milhões), mesmo porque as demandas e obras paradas são a marca da administração. Por isso, o vereador Tabosa está gritando que “maquiaram” as contas e, fica claramente a impressão, que tem coisa errada por todos os cantos. 

O prefeito Marquinhos faz efusiva propaganda dizendo que deixou em caixa R$ 1,5 bilhão para dona Adriane. Ela não confirmou. Tá de biquinho fechado. A subsecretária de Gestão, Catiana Sabadin, afirmou, por linhas tortas, que esse dinheiro existe, e está previsto no Plano Municipal de Gestão Estratégia, a ser aplicado até 2024. Na verdade, não é dinheiro vivo, são recursos contábeis. Ela sabe disso.

Já a secretária de Finanças, cognominada de “a japonesa”, afirmou noutra reunião com vereadores que o dinheiro provisionado pelo ex-prefeito foi de R$ 300 milhões. Uai! E os R$ 1,5 bilhão?

O demonstrativo apresentado e as informações são confusos. Não há interesse em esclarecer nada. Por exemplo: as transferências de recursos federais caíram de R$ 226 milhões em 2020 para R$ 51,4 milhões no ano passado, uma queda de 77,3%. Não é normal, mesmo porque na pandemia houve bom fluxo de recursos entre entes da federação. Talvez o Cadin esclareça. Mas esse é um tema proibido na Câmara.

Ao mesmo tempo, dados oficiais mostram que entre receita e despesa houve um déficit de 43% entre 2020 e 2021. A dívida pública cresceu 19%, passando de R$ 707 milhões para R$ 770 milhões. 

O mais grave são os gastos com pessoal. A prefeitura gasta 60% do que arrecada com pagamento salarial. A lei de responsabilidade fiscal afirma que o limite de alerta e prudencial é de 48% e 59%. Com isso, caso tal distorção não se resolva ao longo do tempo, a prefeita poderá incorrer em improbidade administrativa. 

Com certeza, Marquinhos Trad saiu da prefeitura em fuga. Tem muito abacaxi para ser descascado. O vereador Tabosa devia insistir na pauta e voltar à tribuna. E esquecer a $edução do poder. 


 




Posts Relacionados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.