Sérgio Moro nasceu em 1 de agosto. Logo, logo, entrará em seu inferno astral. Agosto é o mês do desgosto. Sua vida atualmente não está ...

Moro e o seu inferno astral

/
0 Comentários

Sérgio Moro nasceu em 1 de agosto. Logo, logo, entrará em seu inferno astral. Agosto é o mês do desgosto. Sua vida atualmente não está fácil. Talvez fique pior. Bem, ele devia imaginar que um dia teria que enfrentar problemas por conta da Operação Lava Jato. Mexeu com alguns fundamentos do poder econômico e político mundial. Colocou Lula na cadeia e isso não foi uma coisa trivial: o cara se autodenominava o "grande mascate" dos interesses do capitalismo internacional. 

Moro e sua turma foram longe demais. Avançaram como nunca antes na história do País no desmonte de uma máquina monumental de corrupção e geradora de desigualdades sociais. Claro, não se faz omeletes sem quebrar os ovos. Contra uma estrutura complexa de crime organizado, que usa e abusa dos poderes do Estado para enriquecer milhares de militantes e oportunistas de partidos sem cor ideológica não dá para seguir regras postas sem ser às vezes pragmático e ardiloso. 

Alguém veria chance de jogo honesto numa disputa entre o time das irmãs carmelitas contra o time do Fernandinho Beira-Mar?

Cada brasileiro virou agora um jurisconsulto e todos opinam sobre hipóteses havidas quando o quadro era tenso, as decisões eram urgentes e a torcida urrava querendo ver alguns maganos na cadeia. Falar agora, depois do acontecido, é fácil; mas no torvelinho dos acontecimentos, coisas escabrosas aconteciam de todos os lados e, francamente, ninguém estava muito preocupado em seguir o estrito ordenamento jurídico de uma constituição sempre distorcida em função das conveniências do momento. 

Alguém se lembra do que Renan Calheiros e Ricardo Lewandowisk fizeram com a Carta Magna na famosa sessão do impeachment de dona Dilma no Senado Federal?

Se fossemos citar aqui todas "interpretações criativas do STF" dos últimos 36 meses veríamos que os nobres advogados, agora tão ciosos com o fluxo de informação informal mantido entre Juízes e Promotores – infelizmente, uma tradição deletéria no Brasil -, perceberíamos o quanto de hipocrisia e o quanto de bravata de quinta categoria nos invade a cada minuto pelas redes sociais. 

Ademais, o tema da insegurança jurídica é cada vez mais plangente, principalmente depois que a administração pública foi criminalizada de ponta a ponta. Todos vivemos com medo do judiciário. Juízes viraram semi-deuses. Promotores estalam os dedos e, pronto, uma mídia ávida por escândalos compra seus biscoitos sem se importar se eles foram feitos de veneno.

Mas voltemos a Moro e as "denúncias" publicadas pelo militante Glenn Edward Greenwald, que também é escritor, jornalista, advogado e especialista em direito constitucional, e que nos últimos dias vem pingando suas “reportagens” contra a República de Curitiba no site The Intercept Brasil, com base em informações anônimas de hackers.

(Engraçado, o famoso jornalista não disse se checou as informações publicadas até o momento, provando que elas são verazes e não frutos de fraude cibernética). 

A cada postagem o Lulismo é levado a um estado de euforia jamais visto nos últimos anos. No limite, parece estar havendo uma torcida a favor da corrupção e ao saque sistemático dos recursos públicos, com alguns membros do STF esfregando as mãos como se estivessem salivando de incontida alegria. 

Sim, essa é apenas uma impressão. Mas que estão postas nas entrelinhas das manifestações “comentadas” de maneira generalizada por figuras com notável saber jurídico e miopia voluntária de leitura de contextos. 

Claro, claro, estão defendendo a Constituição e a lisura dos procedimentos processuais (no fundo, dão gritinhos de “Lula Livre”, mesmo porque ninguém é de ferro), mas esquecem que quando Márcio Thomaz Bastos foi Ministro da Justiça ultrapassou todos os limites razoáveis para defender o Governo e nem por isso sofreu uma campanha tão pesada quanto vem enfrentando Moro. 

Claro, Bastos especializou-se na defesa de criminosos e isso o beatificava diante dos garantistas de ocasião. Acho que nem a vale a pena mencionar o fato de advogados frequentarem o Supremo vestidos esportivamente de bermudas num fim de semana para conversas amistosas com membros da egrégia Corte. 

A história da república é notabilizada por fatos esquisitos, de “nebulosas transações” como dizia aquele compositor engajado. Se juristas formarem um grupo de estudo para fazer uma mineração profunda naquilo que muitos consideram uma “mera distração” na interpretação das leis e como elas influíram nas decisões em suas várias instâncias encontrarão as razões pelas quais chegamos a esse ponto, com o trânsito de bilhões de dólares em malas, cuecas, contêineres, abastecendo contas secretas em paraísos fiscais. 

Talvez Moro e a República de Curitiba tenham descoberto um jeito de dar um cavalo de pau nessa situação, inspirados num quadro de combate à corrupção que vem se estruturando desde os anos 80, depois que os Estados Unidos enfrentaram o escândalo de Watergate, e o Congresso foi obrigado a criar leis mais rígidas para impedir a farra nos negócios públicos e privados mundo afora. A história é longa. 

O fato é que atualmente o crime organizado quer zerar o jogo. Está contando com a ajuda de vasta militância que sonha criar um ambiente de condenação pública, jurídica e institucional dos protagonistas das operações para anular os processos, as delações e as prisões de bandidos confessos. Vão conseguir? 

É provável que não. Mas todos estão apostando suas fichas nas denúncias de Glenn Edward, que, conforme comemoram, explodirá a base do Governo Bolsonaro, atingindo sua figura mais emblemática. Trata-se de aposta perigosa. 

Os precedentes abertos de todos os lados indicam que atores políticos de vários matizes – inclusive no Supremo – estão mandando às favas os recatos e os escrúpulos, indicando que o jogo pesado do subterrâneo não poupará ninguém. 

Será que todos vão ficar sentadinhos educadamente esperando que a The Intercept Brasil publique todos os diálogos hackeados no telegram de centenas de autoridades sem mover um fiozinho de cabelo?

Fico imaginando as movimentações de bastidores e o frenesi das investigações para trazer o caso por completo à tona. Depois disso é provável que seja possível fazer um julgamento. Ele poderá condenar Moro e sua turma. Mas também jogará as reputações de muitos na vala comum dos apodrecidos da vida republicana. 

Segue o jogo... 



Posts Relacionados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.