Publicado originalmente na Folha de S.Paulo de hoje: Foi preciso um vice-governador ser ferido a bala durante uma carreata no interi...

Eduardo Scolese: Violência incentivada

/
0 Comentários

Publicado originalmente na Folha de S.Paulo de hoje:

Foi preciso um vice-governador ser ferido a bala durante uma carreata no interior de Goiás para a violência nas eleições municipais ganhar repercussão nacional.

A tensão em disputas por prefeituras e Câmaras de vereadores não é novidade. Não surgiu de repente nos tiros que mataram José Gomes da Rocha (PTB), candidato a prefeito de Itumbiara, e feriram o vice goiano, José Eliton.

Trata-se de algo impregnado na política, uma tensão alimentada por aqueles que representam os eleitores nos palácios, no Congresso e nas Assembleias Legislativas.

Não podemos também desprezar a responsabilidade dos grandes partidos. Eles têm ajudado a alimentar um clima de terror nas disputas no interior e nas periferias. 

Espalham boatos sobre o suposto fim de programas sociais e parecem não ter ideia ou pouco se importar de como isso mexe com o imaginário e os nervos das pessoas.

Com o terrorismo eleitoral nas ruas, a pressão arterial da dona de casa vai a mil, o pai desesperado sai à caça de informações, e tudo isso vira motivo de bate-boca. 

Um samba do crioulo doido que começa com boato, vira ameaça, cresce com agressões e termina em morte.

A então presidente Dilma uma vez disse: "Podemos fazer o diabo quando é a hora da eleição." É realmente um inferno, do Planalto às sedes dos governos estaduais. 

Ameaças e boatos surgem no boca a boca das comunidades rurais, nos carros de som em praças e nos programas de rádio e TV idealizados pela lógica do vale-tudo eleitoral. Tudo pensado pelo marqueteiro e carimbado pelo candidato.

E onde mais entra a responsabilidade de nossos deputados nessa violência? São eles, longe dos plenários da Câmara e das Assembleia, que incentivam esse modelo de política que termina em morte.

Para se eleger e reeleger, um deputado precisa manter o comando de seus currais eleitorais, e isso passa pela eleição de prefeitos aliados. 

Um candidato a prefeito em campanha faz de tudo para conquistar votos, e as chantagens fazem parte do jogo. O deputado nem sempre coloca a mão nessa cumbuca, mas a patrocina.

Nas cidades, quem pendura a bandeira de campanha na porta de casa ganha a visita do caminhão-pipa. Nas demais residências, o veículo passa reto, e a cisterna segue seca. 

Quem declara voto na reeleição do prefeito pode ganhar uma máquina agrícola emprestada e receber a promessa de sua "manutenção" na lista de beneficiários do Bolsa Família.

Nessas campanhas, funcionário da prefeitura vira um feroz cabo eleitoral. Para ele, o que está em jogo não é a política pública, mas o seu emprego. Nessa lógica, o simpatizante do candidato adversário vira inimigo, atentados viram rotina, e as mortes acontecem.

Eleição municipal é guerra. Mas as autoridades de Brasília parecem se importar pouco com isso. O Ministério da Justiça minimiza a realidade e chama o caso de Goiás como "ponto fora da curva".

O mesmo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que agora se declara chocado com o caso de Itumbiara não é capaz de tabular quantas pessoas morreram por causa de disputas eleitorais nos últimos anos no país. Para a Justiça Eleitoral, isso é apenas um problema de polícia. 

Afinal de contas, tropas militares nas ruas devem garantir uma tranquila votação neste domingo.

*jornalista


Posts Relacionados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.