Octavio Paz Lozano (1914/1998 -Nobel de Literatura de 1990). O homem explica-se a si mesmo e à sua obra: “a poesia é conhecimento, salva...

Octávio Paz: Branco

/
0 Comentários

Octavio Paz Lozano (1914/1998 -Nobel de Literatura de 1990). O homem explica-se a si mesmo e à sua obra: “a poesia é conhecimento, salvação, poder, abandono. Operação capaz de mudar o mundo, a atividade poética é revolucionária por natureza; exercício espiritual, é um método de libertação interior. A poesia revela esse mundo; cria outro. Pão dos escolhidos; alimento maldito. Isola; une. Convite à viagem; retorno à terra natal. Inspiração, respiração, exercício muscular. Prece ao vazio, diálogo com a ausência: o tédio, a angústia e o desespero a alimentam. Oração, ladainha, epifania, presença. Exorcismo, conjuro, magia. Sublimação, compensação, condensação do inconsciente”.



Silêncio


Assim como do fundo da música
brota uma nota
que enquanto vibra cresce e se adelgaça
até que noutra música emudece,
brota do fundo do silêncio
outro silêncio, aguda torre, espada,
e sobe e cresce e nos suspende
e enquanto sobe caem
recordações, esperanças,
as pequenas mentiras e as grandes,
e queremos gritar e na garganta
o grito se desvanece:
desembocamos no silêncio
onde os silêncios emudecem.


in "Liberdade sob Palavra"


Tradução de Luis Pignatelli



Posts Relacionados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.