“Uma coisa sou eu, outra são meus escritos”, escreveu Nietzsche já meio doidinho no fim da vida. Digo a mesma coisa. Sou um jornalista...

Eu por mim mesmo

/
2 Comentários


“Uma coisa sou eu, outra são meus escritos”, escreveu Nietzsche já meio doidinho no fim da vida.

Digo a mesma coisa. Sou um jornalista de alma leve e mãos pesadas. Não tenho raiva de nada nem de ninguém. Não guardo mágoas. Minhas vinganças são aquelas que duram os minutos exatos antes de chegar o sono. Como era gostoso o meu francês!

Lendo o que escrevo, tem gente que pensa: “esse cara tá com raiva da vida”.

Não: eu estou rindo do mundo.

Meus ressentimentos – humanos, demasiadamente humanos – duram o tempo necessário para que eu encontre um novo assunto para me ocupar.

Meus inimigos são os fantasmas que crio em minha cabeça. Eles desaparecem rápido com um "bú".

O meu autismo ocupacional pula inúmeros temas em poucos instantes, fazendo com que o passado se confunda com o presente, fazendo de minha vida um jogo ilusório entre a ficção e a realidade.

Tudo é fantasia. Nossa mente produz monstros em preto e branco e o meu trabalho é colori-los.

Talvez Lacan esteja correto: viver é um estado de alucinação permanente.

Quando alguém me aborrece, logo penso que acabei de ganhar na megasena e começo construir castelo nas nuvens.

É gozado, mas tenho sobrevivido até aqui desse jeito. Sem dinheiro, lógico.

Durmo tarde e acordo tarde. É durante as madrugadas que encontro paz e concentração para ler, estudar, pesquisar.

Só idiotas gostam de acordar cedo.

A minha missão na vida é estimular debates da mesma forma que Dom Quixote lutava contra moinhos de vento.

Vivemos num mundo chato. A sociedade de consumo estabeleceu como regra de convivência a “cultura do cliente”.

Noutras palavras, o status quo é manter relações civilizatórias que transitam entre a hipocrisia e a maledicência.

Não gosto disso. Por isso, tenho uma fila imensa de desafetos.

No trato pessoal, sou bem fofo. O problema é quando começo a escrever.

Não sei explicar: o teclado me enche de fúria. Quero escrever coisas doces, mas minhas mãos não obedecem.

Às vezes acho que estou psicografando. Algum espírito louco toma conta de mim nessas horas e eu me sinto na obrigação de escrever minhas verdades.

Deixo claro: não falo das verdades absolutas; não sou professor de deus; apenas produzo minhas ideias fundadas nas minhas experiências e conhecimentos precários da vida e do mundo.

Já li de tudo. Mas detesto intelectualismo. Acho que isso é pose pequeno-burguesa. Gente inteligente deve sempre fingir que é burra.

As pessoas detestam pessoas cultas, sábias, que usam o cérebro para transformar o mundo ao seu redor.

Sou tímido e retraído. Gosto de cantos e isolamentos. Daí, um bom livrinho sempre ajuda.

No fundo, sou um moralista babaca, que acha que se o tamanho do pé do outro sujeito não for igualzinho ao meu ele merece ir de imediato para o inferno.

Claro, é um defeito terrível. Mas só assim consigo sobreviver. Por essa razão, prefiro que não me levem a sério; aliás, ninguém merece ser levado a sério. Ou melhor: o homem (ou a mulher) só deve ser levado a sério quando estão no banheiro esvaindo seus líquidos e sólidos.

Fora disso, o ser humano é uma piada de mau gosto.

Sou autodidada. Detesto a burocracia das academias. Não gosto do saber organizado. Gosto de imaginar cobras com chifres, vacas com asas, burrinhos falando javanês.  

Acho fundamental incomodar as pessoas. Adoro vê-las reagindo ofendidas, falando horrores a meu respeito, me apontando o dedo de sua moral bisonha na minha direção.

Não faço o mínimo esforço em ser amado. Se quer me odiar?, tudo bem, entre na fila. Estou me rebolando para para os teus sentimentos e seus mi-mi-mis.

Mais importante: sou mentiroso patológico. Se você me leu até aqui, desconfie. Toda a verdade depende do ponto do vista que quem a pronuncia.

Dois mais dois não necessariamente precisa ser quatro. Pode ser zero. Pode ser nada. Depende de mim. De você. Do louco da esquina.






Posts Relacionados

2 comentários:

  1. E você acaba de me causar um sentimento terrível : a inveja. Porra, como eu gostaria de ter escrito esse texto.

    ResponderExcluir
  2. Te amo. Não morra sem me realizar o desejo.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.