Diante da prisão de dez brasileiros suspeitos de planejar um ataque terrorista na Olimpíada do Rio, hesita-se entre os sentimentos do alí...

Editorial da Folha SP: Prevenção e Imagem

/
0 Comentários

Diante da prisão de dez brasileiros suspeitos de planejar um ataque terrorista na Olimpíada do Rio, hesita-se entre os sentimentos do alívio e da desconfiança.

Sem dúvida, a ação da Polícia Federal dá mostras de que não eram vazias as declarações de que havia preocupação real com a segurança nos Jogos. Evidenciou-se, ao menos, a existência de um monitoramento eletrônico sobre eventuais simpatizantes do extremismo muçulmano.

Ao mesmo tempo, não se exclui a possibilidade de que a ofensiva das autoridades tenha se revestido de algum componente midiático.

De acordo com o relato oficial, havia indícios consideráveis a pesar contra alguns dos detidos —estratégias de ataque debatidas pela internet; celebração dos atentados em Nice e em Orlando; uso de pseudônimos; em pelo menos quatro casos, juramentos de lealdade ao Estado Islâmico.

Não é pouco, e dada a imprevisibilidade inerente das ações terroristas, a cautela se impõe acima de tudo. Até que ponto, todavia, acrescenta-se a esse raciocínio a conveniência de demonstrar internacionalmente, em cronograma calculado, a existência de um eficaz dispositivo de controle sobre possíveis ameaças?

A incerteza da situação traduz-se em paradoxo, para não dizer em contradições abertas, quando se analisam as atitudes do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e de outras autoridades.
Tratava-se de célula "amadora", "sem nenhum preparo", afirmou Moraes, aludindo ao fato de que um de seus membros tentara comprar armamentos pela internet, em vez de recorrer a fornecedores especializados.

Os suspeitos tinham, entretanto, um líder, prosseguiu o ministro. Difícil afirmar tal coisa, rebateu o juiz responsável pelas prisões.

Em meio às ambiguidades do caso, transparece um dilema político real. É preciso evitar que o sentimento de medo e insegurança prevaleça na Olimpíada e, ao mesmo tempo, assegurar que as forças policiais não estão a minimizar nenhuma ameaça.

Desse modo, se quisermos exagerar o teor do que disseram as autoridades, transmite-se a ideia de que havia perigo, mas que esse perigo não era considerável; que os suspeitos estavam organizados, mas não muito –e que os Jogos se realizarão em paz, mas talvez não.

Seria todavia injusto caracterizar assim as hesitações do discurso oficial. Pois, de fato, garantias absolutas não existem contra ações terroristas (pouco importando se provêm de "amadores" ou não). Fez-se o correto; o que se afirmou sobre o feito, contudo, perdeu-se na névoa da conveniência política.



Posts Relacionados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.