De quem é a culpa pela crise de Campo Grande? A pergunta pode ter duas respostas. A primeira é de que isso não importa; a questão fun...

Caos e Culpa

/
0 Comentários





De quem é a culpa pela crise de Campo Grande? A pergunta pode ter duas respostas. A primeira é de que isso não importa; a questão fundamental é propor saídas para resolvê-la. A segunda é de que o importante (ou seja, definir as responsabilidades pela bagunça) é ter diagnósticos da série histórica das três últimas gestões para que a população possa a debater abertamente soluções para os problemas e não repeti-los no futuro.
Juntando as duas coisas, temos um dilema. O atual prefeito da cidade tem condições para resolver a crise no tempo que lhe resta de mandato? Muitos podem achar que essa é sua obrigação, visto que foi eleito para isso, sem contar que vem lutando com unhas e dentes para se manter no poder. Outros podem achar que, com base na experiência cotidiana, o melhor que ele poderia fazer é não agravar a situação, esperando as próximas eleições.
O quadro torna-se mais complexo quando se imagina que até o momento não se sabe qual é a verdadeira radiografia da situação. Não há política de transparência que demonstre com clareza quais são as dificuldades, qual o tamanho do rombo financeiro, quais compromissos contratuais de curto, médio e longo prazos com o funcionalismo e os prestadores de serviços, enfim, qual é o balanço geral e real da situação.
Sim, há rumores aqui e ali, há reuniões na Câmara de Vereadores com apresentação de planilhas orçamentárias, há indicadores e dados esparsos, mas o fato é que parecer haver um jogo de espelhos e que há intenção deliberada em esconder a verdade nua e crua dos cidadãos porque, como se diz, há interesses pesados envolvendo questões políticas, corporativas, empresariais etc.
Tornou-se lugar-comum dizer que Campo Grande é sinônimo de caos. A cidade há muito está perdendo a vitalidade econômica. Há denúncias de corrupção pesada em toda máquina administrativa, há reclamação (justa e correta) de que serviços essenciais como coleta de lixo, saúde e educação pararam de funcionar, há verificação direta de que a dinâmica urbana colapsou-se de maneira quase irrecuperável.
A eleição de 2016 vai exigir dos candidatos a prefeito e vereadores uma posição quase heróica diante dos complicadores que eles terão que enfrentar. As demandas aumentam e evoluem a cada dia. O passivo social indica que não haverá medida sustentável que possa recolocar o município nos eixos.
Diante disso, é perfeitamente cabível perguntar: quem terá coragem de fazer o diagnóstico verdadeiro dos problemas da Capital e propor uma inflexão dolorosa para colocar a casa novamente em ordem?
Quem conhece a classe política sabe de antemão que ela jamais correrá o risco de falar a verdade. É mais fácil vender ilusões. Turbinar as esperanças com imagens e musiquinhas melosas em vez de debater a vida real.
Mas será que não é o momento de se tentar o inusitado? Ousar um pouco mais e mostrar a realidade, fazendo ao mesmo tempo propostas exeqüíveis, longe da maquiagem marqueteira, mostrando que depois de Bernal-Olarte-Bernal só com choques doloridos podemos sair do buraco?
Talvez seja ingênuo pensar assim. Mas não há dúvidas de que isso representaria um avanço cultural na nossa história política.


Posts Relacionados

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.